AGORA FICOU FÁCIL: QUALQUER USUÁRIO PODE DEIXAR SEU COMENTÁRIO NO BLOG. SUA OPINIÃO É IMPORTANTE.

domingo, 11 de agosto de 2013

Tempo



Adélia Prado
A mim que desde a infância venho vindo
 como se o meu destino
fosse o exato destino de uma estrela
apelam incríveis coisas:
pintar as unhas, descobrir a nuca,
piscar os olhos, beber.
Tomo o nome de Deus num vão.
Descobri que a seu tempo
vão me chorar e esquecer.
Vinte anos mais vinte é o que tenho,
mulher ocidental que se fosse homem
amaria chamar-se Eliud Jonathan.
Neste exato momento do dia vinte de julho
de mil novecentos e setenta e seis,
o céu é bruma, está frio, estou feia,
acabo de receber um beijo pelo correio.
Quarenta anos: não quero faca nem queijo.
Quero a fome.


Adélia Prado. Poesia reunida. São Paulo: Arx, 1991.
(Imagem: www.mundodastribos.com)

domingo, 4 de agosto de 2013

Oração de uma recém-aposentada




Luci Afonso

Senhor, dai-me forças para não passar o dia de pijama. Insuflai-me ânimo para tomar banho, mesmo que não seja imprescindível. Ajudai-me a cuidar das unhas. Incentivai-me a pintar o cabelo. Lembrai-me de escovar os dentes.
Adverti-me de olhar no espelho antes de sair. Esclarecei-me por que não devo usar as roupas de casa na rua. Incentivai-me a passá-las a ferro. Repreendei-me quando eu não trocá-las diariamente.
Protegei-me das horas sem fim no Facebook. Negai-me a opção “curtir”. Abrigai-me do recurso às compras on-line. Fazei com que eu vá a pé ao supermercado. 
Meu Deus, dai-me paciência quando perguntarem pela centésima vez “O que você vai fazer?”, ao saberem que me aposentei. Não me deixai sucumbir à tentação de dormir tanto quanto os gatos e em todos os lugares. Martelai na minha cabeça a importância da atividade física. Empurrai meus pés ao primeiro passo.
Impedi-me de brigar com a empregada. Escondei da minha vista os cantos cheios de poeira. Afastai dos meus ouvidos os resmungos constantes.
Instruí amigos e parentes quanto à diferença entre aposentado e desocupado. Auxiliai-me a relaxar sem culpa após trinta e cinco anos de trabalho pesado. Desapegai-me do horário comercial e dos dias úteis. Libertai-me do relógio.
Não permiti que eu engorde como a vizinha do 409. Impedi-me de saborear banana frita com queijo e açúcar mais de uma vez por semana. Preveni-me sobre o hábito de comer dois pães quentes com manteiga toda manhã.
Abençoai os que estão longe de se aposentar. Os que têm medo de fazê-lo. Os que se arriscaram, mas agora buscam desesperados a reversão da aposentadoria.
Pai Eterno, obrigada pela folga. Livrai-me da preguiça e perdoai meus pecados, assim na ativa como na inatividade.
Amém.

domingo, 21 de julho de 2013

O tempo é Deus




Padre Daniel Lima

O tempo é Deus
Que se dá aos pedaços
No passar das horas.
E, por isto,
Homem do tempo, amo a vida.
Pois sei que, ao envelhecer
Me divinizo.

(Revista Bravo! – março de 2012. Ilustração: Zé Otávio)